Quanto vale AGRADECER? - Reabilita Neuropsicologia
485
post-template-default,single,single-post,postid-485,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive
 

Quanto vale AGRADECER?

Quanto vale AGRADECER?

Por quantas atitudes, pessoas e favores você passa despercebido durante todo o seu dia? Agradecer – a todos e a tudo – não mostra apenas sua boa educação, mas faz de você uma pessoa nobre.

TEXTO E ENTREVISTAS Nathália Piccoli/Colaboradora DESIGN Mary Ellen Machado

 

MUITOS FILÓSOFOS E PESQUISADORES DE DIVERSAS ÁREAS SE DEDICAM AO ESTUDO E A COMPREENSÃO DESSE SENTIMENTO TÃO PURO QUE É A GRATIDÃO. O filósofo francês André Comte-Sponville é um deles. Em seu livro Pequeno Tratado das Grandes Virtudes, ele a visualiza como “a mais agradável das virtudes, e o mais virtuoso dos prazeres”. Para Esopo, há mais de 500 anos antes de Cristo, “a gratidão é a virtude das almas nobres”. Compartilhando do mesmo pensamento, para William Shakespeare “a gratidão é o único tesouro dos humildes”

 

SEM MAIS

Se não bastasse ter a alma pura, nobre e humilde, pesquisadores como Shankland e Martin-Krumm afirmam no livro Pratiques Psychologiques que as pessoas gratas, as quais não sentem vergonha em manifestar esse sentimento, são mais felizes, enérgicas e otimistas, devido ao fato de que, quando pensamos em alguns acontecimentos e reconhecemos neles motivos para agradecer,
desenvolvemos pensamentos positivos.

Diferentemente das emoções básicas como felicidade, medo, raiva, nojo e surpresa, a gratidão entra no conjunto das emoções morais ou pró-sociais que dependem de um ponto de vista pessoal para se manifestarem. “É a nossa capacidade em reconhecer que recebemos algo de bom e positivo, é um olhar que temos para a vida e que nos faz sentir agraciados por algo que nos foi ofertado”, esclarece a neuropsicóloga Aline Gonçalves.

Segundo os neurocientistas Jorge Moll e Jordan Grafman, a gratidão, essa emoção moral que nos deixa felizes quando a sentimos, depende da interação entre partes do cérebro que processam as emoções básicas com outras que são responsáveis pelo julgamento moral do que é certo ou errado.

O CORPO PEDE

Trata-se, realmente, de um sentimento poderoso! A neurociência explica que a gratidão é capaz de ativar o chamado sistema de recompensa do cérebro. Tal sistema está localizado no núcleo accumbens, uma região que tem como função gerar prazer e estimular

UM OBRIGADO SINCERO

A gratidão limpa a alma. Por outro lado, a ingratidão a deixa suja e pesada. Pode parecer mentira, mas a ciência tem como provar a influência de um bom pensamento. A psicóloga Carolina Marques lembra que “somente um obrigado genuíno, que envolva um pensamento elaborado das razões pelas quais você é grato, fará a liberação dos neurotransmissores da dopamina e da ocitocina, envolvidas no sistema da recompensa”. o bem-estar, causando, assim, satisfação e melhorando a autoestima. A neuropsicóloga acrescenta ainda que nosso cérebro não está isolado do corpo, somos um todo, de forma que algo que afeta o cérebro afeta funções imunológicas e endócrinas e vice-versa.

Então, a liberação de dopamina e os outros processos desencadeados pelo sentimento da gratidão podem alterar positivamente nosso sistema imunológico. Outra questão também pode explicar
esses benefícios. Isso porque, quando o cérebro reconhece que algo de bom aconteceu – e você se sentiu agradecido –, acontece a liberação de dopamina, uma substância que transmite mensagens entre os neurônios.

Além do sistema de recompensa, a gratidão também incentiva a liberação de ocitocina, substância produzida pelo hipotálamo, uma parte do cérebro responsável por impulsionar o afeto e oferecer tranquilidade, além de reduzir os sentimentos negativos.

 

O VIÉS CIENTÍFICO

Um artigo publicado no Jornal NeuroImage concluiu que ser grato pelas pequenas coisas da vida pode causar grandes mudanças – inclusive cerebrais. Depois de meses exercitando a gratidão por meio da escrita, seu cérebro passa a se sentir ainda mais condicionado a ser grato. Para a experiência, foram convidados 43 voluntários que faziam tratamentos terapêuticos, ou tinham depressão e problemas relacionados à ansiedade. Apenas 22 deles foram chamados para o que eles nomearam de “sessão de gratidão”: nos três primeiros encontros, os participantes passaram 20 minutos
escrevendo cartas, nas quais de monstravam algum tipo de gratidão pelo destinatário. Três meses depois desses encontros, todos passaram por um escaneamento cerebral, que ocorria simultaneamente a outro exercício, eram exibidas fotos de pessoas que, em tese, teriam feito grandes doações à pesquisa. Os participantes precisavam agradecer a eles, enquanto seus cérebros
eram examinados. O resultado foi claro:

Quem escreveu cartas três meses antes demonstrou maior atividade cerebral nas áreas relacionadas ao sentimento da gratidão. Sendo assim, saia do automático, não tenha vergonha! Só dizer “obrigado” não significa assumir uma dívida ou algum tipo de obrigação, mas, sim, reconhecer que o seu feito ou o de outro alguém fez algo bom, fez bem. A gratidão sincera não precisa de
cerimônia – há momentos em que agradecer dispensa até mesmo palavras, traduzindo-se em abraços, sorrisos ou orações.

 

BÊ-Á-BÁ DA GRATIDÃO

Você vai à academia, exercita seus músculos, cada dia consegue uma conquista maior e, assim, ganha força. O processo da gratidão funciona da mesma maneira, quanto mais você a pratica, mais propenso estará a senti-la espontaneamente no futuro. A neuropsicóloga Aline Gonçalves nos deu 10 dicas sobre como tornar a gratidão algo fácil e rápido para ser praticado no seu dia a dia, e motiva: “Se nos habituamos a sentir gratidão, começamos a modular nosso cérebro para nos fazer sentir felicidade e satisfação e entrarmos num círculo virtuoso”.

1. Faça uma lista com 10 coisas pelas quais você é grato e explique por que deve agradecer por ela, leia essa lista todos os dias;
2. Ao acordar, ainda na cama agradeça pela noite de sono e pelo dia que se segue;
3. Ao alimentar-se, agradeça por toda a cadeia de produção de alimentos que permitiu
que sua refeição chegasse à sua mesa, desde o plantio, colheita e transporte;
4. Agradeça por sua saúde, por estar vivo e também pelos cinco sentidos que permitem sua interação com o mundo externo;
5. Agradeça se recebeu algum estudo formal e a todos os professores que um dia lhe levaram o conhecimento;
6. Agradeça por possuir roupas que protegem seu corpo do frio;
7. Diga obrigado verbalmente a todas as pessoas que te prestarem serviço ou favor ao longo do dia;
8. Se tem um trabalho, dê graças por ele, agradeça não apenas pelo seu salário, mas pela oportunidade de poder ser útil e contribuir;
9. Ajude uma pessoa e silenciosamente agradeça por ter algo a oferecer;
10. Quando for pagar suas contas, seja grato por poder honrar sua dívida.

 

CONSULTORIAS

Aline Gonçalves, neuropsicóloga com atuação em avaliação e reabilitação neuropsicológica de adultos e idosos na reabilita neuropsicologia;
Carolina Marques Pellegrini, psicóloga, neuropsicóloga, terapeuta cognitivo comportamental – cofundadora da Clinica Estar Saúde Integrada.

FONTE

Artigo The Effects of Gratitude Expression on Neural Activity, publicado no jornal científico Neurolmage